Indústria: agora é o momento de estar à frente

Todos os segmentos empresariais estão cruzando os dedos para evitar a temida crise advinda do COVID-19. Entenda como a indústria deve atuar em meio a pandemia.

O assunto já não é considerado mais uma novidade, mas o que de fato se altera à medida que os dias vão passando, são os números. Isto mesmo, estamos falando de os números noticiados todos os dias, em jornais do mundo todo.

Com milhares de casos e óbitos confirmados em todo planeta, o COVID-19 se transformou em uma pandemia em poucos meses, tudo porque, seu contagio é rápido e o tempo para a detecção do vírus no organismo levam alguns dias para surgir. Assim, os altos números de casos se tornam inevitáveis.

Sem sombra de dúvidas, você, sua empresa ou alguém que você tenha convívio/relação adotou algumas medidas preventivas, visando reduzir o índice de casos do vírus no Brasil.

A paralisação de comércios e instituições de ensino foi um formato de cautela para diminuir a quantidade de casos no país, entretanto, um fator é rapidamente abordado neste ponto, afinal, como ficará a economia brasileira e global, quando tudo isto – esperamos nós, acabar?

O Brasil – antes da chegada do COVID-19, vinha se recuperando de forma gradual das grandes crises econômicas dos últimos anos, com índices esperançosos por todos os segmentos do país.

Todavia, no final de março de 2020 (período de grande elevação de casos no Brasil), o então Ministro da Economia Brasileira, prevê uma redução no crescimento econômico do país, que pode oscilar entre 0,1 ponto percentual na melhor das hipóteses, e na pior, atingir margens de 0,5.

O impacto do coronavírus não somente para o Brasil, mas em escala mundial é inevitável, refletindo diretamente para as atividades econômicas, isto acontece, porque para a redução de casos do COVID-19, o mais coerente a ser feito, é o distanciamento social.

Segundo um levantamento de cotação realizado no dia 06 de março de 2020 pela Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA – em inglês), estima-se que as perdas globais da receita no setor industrial como um todo, devem ficar aproximadamente US$ 63 bilhões e US$ 113 bilhões de dólares, o que, convertido para o real, apresenta um valor que equivale entre 290 bilhões e 520 bilhões de reais, respectivamente.

Impulsos estratégicos para o crescimento industrial

Como você já pode notar, o foco deste conteúdo é apresentar números que te incentivem a seguir em frente, em meio a uma pandemia global, portanto, continue conosco, pois até o final deste conteúdo, você estará preparado para driblar todas as estatísticas negativas que assombram o cenário econômico industrial brasileiro.

No final de 2019, a Confederação Nacional da Indústria – CNI, estimou um crescimento significativo para a indústria brasileira em 2020, com índices que chegam a 2,8% visto que, com tal alavancada ao setor industrial, a economia brasileira tende a prosperar também. Para a economia brasileira, a CNI acredita que os números atinjam 2,5%.

Além disto, a Confederação Nacional da Indústria – CNI, estima um aumento para o setor da agropecuária – 3,0% e para o ramo de serviços – 2,1%.

Se tais projeções forem atingidas, a expansão para o setor industrial – 2,8%, será o maior desde 2011.

Com tais índices, certamente fica comprovado que agora, não é o momento de parar e/ou cair em um muro de lamentações, mas sim, de criar estratégias mercadológicas para que você e seus profissionais, aperfeiçoem ainda mais as técnicas utilizadas pela instituição.

Uma estratégia de negócio diz tudo sobre como uma empresa reage as variáveis do macro ambiente empresarial, além disso, tudo é baseado em um bom planejamento, afinal, empresas que pensam no amanhã, encontraram o pote de ouro no dia seguinte.

Balanço econômico perante o COVID-19

Os números apresentados acima – e divulgados pela CNI no final do ano passado, podem se alterar um pouco (mas isto não é motivo de receios, e sim, de pensamentos positivos e estratégicos), em decorrer dos números de casos do vírus pelo Brasil e em todo Mundo.

No dia 30 de março de 2020, a Confederação Nacional da Indústria – CNI, divulgou uma pesquisa realizada com 734 indústrias de pequeno, médio e grande porte em todo país, durante os dias 26 e 27 de março de 2020.

Por meio destas centenas de instituições, os principais problemas enfrentados, estão girando sob a queda na demanda de seus itens comercializados, atrelados a dificuldade de adquirir os insumos e matérias-primas necessários para o desenvolvimento dos produtos industriais, além da redução da oferta perante o capital e também a oscilação no sistema financeiro.

Em decorrer de uma Consulta Empresarial, 92% das indústrias entrevistadas estão com impactos negativos por conta do coronavírus, destes, 40 pontos se referem a empresas muito afetadas, 27 sob empresas mediamente impactadas e 25 pontos, fazem menção a empresas pouco afetadas.

Além disso, 5% das indústrias brasileiras não foram afetadas pela pandemia, dando continuidade em suas rotinas e 3% relataram impacto positivo, como é o caso de indústria do ramo de limpeza.

Neste momento, você deve estar se questionando sobre qual a lógica de apresentarmos as projeções positivas e os impactos do COVID-19 logo em sequência, não é mesmo? Fique tranquilo, vamos justificar de forma breve e totalmente prática, acompanhe:

O objetivo destes dados, é para apresentar a você, amigo leitor do ramo industrial, que o seu negócio não é o único que está com variações negativas perante a propagação do coronavírus! A culpa não é sua, nem de suas estratégias, tão pouco da paralisação do setor e profissionais.

Entretanto, é de sua responsabilidade tomar a decisão de sobressair durante momento de crise como este que, não somente a indústria, como também o setor varejista e de serviços percorrerá.

Mantenha-se esperançoso sob os negócios de 2020

“A esperança é a última que morre!” lembre-se bem dessa frase pois ela fará total sentido para você dentro de alguns meses, tudo porque, com tantas notícias negativas, não podemos deixar que a vontade de vencer, ceda espaço para pensamentos pouco produtivos, empresarialmente falando.

É tempo de regeneração empresarial.Pergunte a qualquer um que possui alguns bons anos no mundo dos negócios, as crises sempre existiram, e dribla-las é tarefa para poucos.

Justamente por isto, aproveite o tempo “livre” para pensar nas melhores projeções quando tudo isto passar, e alinhe alguns pontos bases para melhorar ainda mais a metodologia de seu negócio:

  • Alinhe novas estratégias.
  • Utilize os números negativos em motivações empresariais.
  • Saiba ouvir seus funcionários.
  • Compreenda com o seu concorrente vai atuar, e supere-o.
  • Execute um planejamento para driblar todas as adversidades.
  • Faça investimentos em estratégias de negócios digitais.
  • Inove de forma tecnológica.
  • Entenda o seu negócio.
  • Tenha em mente o objetivo de seu negócio – em meio às crises.
  • Lembre-se: vender é uma consequência de um bom trabalho em equipe.

Por conta disto, é fundamental que empresas entendam, o momento é de assertividade nas ações mercadológicas, aproveite que boa parte da população mundial se encontra em casa ainda, e aplique metodologias online, isto, além de elevar a visibilidade de seu negócio e prospectar credibilidade a marca e empresa, comprova a preocupação de seu negócio, em se manter próximo a seus clientes e parceiros em meio a uma pandemia como a que percorremos.

Conquiste a primeira página